Notícias
22/09/17 - Metade dos adolescentes estão com vacinação desatualizada

22/09/17 - Previsão do tempo para Presidente Prudente

22/09/17 - Motorista morre e passageiro fica ferido após caminhão despencar em ribanceira

22/09/17 - Curso ensina artesanato em MDF e cartonagem em PP

22/09/17 - Previsão do tempo para Teodoro Sampaio

22/09/17 - A primavera começa oficialmente no dia 22 de setembro

22/09/17 - Homem é atropelado por motorista embriagado ao atravessar avenida

21/09/17 - Coleta Seletiva terá roteiro alterado em vários bairros de Prudente

21/09/17 - Previsão do tempo para Ribeirão dos Índios

20/09/17 - Ex-delegado da Polícia Civil é preso em Pirapozinho

20/09/17 - Motorista bate carro em casa lotérica em Presidente Prudente

20/09/17 - Previsão do tempo para Pirapozinho

20/09/17 - Na Semana Nacional de Trânsito, motoristas podem realizar testes de saúde

20/09/17 - Previsão do tempo para Presidente Prudente

18/09/17 - Na SP-270, alça de saída para a Av. da Saudade estará fechada nesta segunda

18/09/17 - Previsão do tempo para Presidente Prudente

16/09/17 - MPE classifica radares como desastre técnico em PP

16/09/17 - Previsão do tempo para Presidente Venceslau

13/09/17 - Retirada de radares depende da empresa, diz Prefeitura

13/09/17 - Previsão do tempo para Presidente Prudente

  Confira
Justiça nega pedido de afastamento imediato da diretoria da Prudenco
A Justiça negou o pedido do Ministério Público Estadual (MPE) para afastar, de imediato, os diretores da Companhia Prudentina de Desenvolvimento (Prudenco), que é responsável por trabalhos como o de limpeza e o de obras em Presidente Prudente. Na decisão, assinada pelo desembargador Fernão Borba Franco e que foi expedida nesta quinta-feira (13), foi apontado que não há provas que justifiquem o afastamento dos envolvidos.

Segundo o MPE, houve irregularidade por parte da diretoria da Prudenco, que é presidida por Mateus Godoi, na contratação desse escritório para representar a empresa na Justiça, sendo que a companhia tem seus próprios profissionais para executar o serviço na área jurídica.

Na decisão, Franco apontou que “não há tal prova nos autos. Os documentos apresentados são abundantes e suficientes para concluir pela ocorrência ou não do ato ímprobo”. Ainda foi frisado que “a medida pretendida é absolutamente excepcional”.

A natureza da decisão tem caráter provisório e liminar, de modo que poderá ser melhor analisada “com a contraminuta”.

Fonte: G1 Presidente Prudente
 

Ao Vivo

  Diocese
Ao Vivo